Follow me:

A soma de todas as nossas esperanças (e medos)

Depois de uma temporada assistindo a Fox News tenho a certeza que o mundo pode acabar em 24 horas. Isso se o super-herói norte-americano não agir mostrando sua força seja por drones bombardeando o inimigo ou forças delta realizando missões impossíveis de resgate. Este é o cenário construído no qual nossos governantes são zeladores de nossa segurança à prova de ameaças que mal conhecemos ou podemos entender.

O ser humano entre seus medos, tem a incerteza como um dos mais temidos. Tudo aquilo que não conhecemos nos assusta. Desde a reação daquele mulher no primeiro encontro até a compra de um produto nunca testado. Neste cenário, as primeiras marcas surgiram para dar um selo de “já vi isto antes e funciona” ou “conheço quem fabrica e ele é confável”. Assim o poder das marcas balançou do varejo para o produto, depois para o varejo de novo e agora busca um novo equilíbrio.

Medo e decisões sempre estiverem muito conectadas entre si.  Na política não é muito diferente. Antes defensores de ideais que inspiravam as pessoas, os líderes políticos definharam com a morte de muitos desses ideais ao longo do século 20. Para não se tornarem meros administradores de contas, a questão da segurança, com seu mais recente inimigo na forma do terrorismo internacional, passou a ser o motivo central de sua existência. Nosso guardião contra as piores ameaças que podem atingir nossas vidas. Algumas delas, criadas como fantasmas de fumaça como documentário da BBC The Power of Nightmares  desvenda.

Do lado da marcas, quando tudo começou a parecer igual e cinza, os selos de “já vi” e “funciona” viraram comuns, era preciso criar uma nova ligação com as pessoas em troca da morte iminente. Numa escolha semelhante aos políticos, as marcas viraram defensoras de ideais. No entanto, se na política eles praticamente morreram junto com os sonhos, no branding eles brotaram com profusão nos últimos anos.  Martin Luther King foi substituído pelo sabão em pó Tide.

Por que você existe? O que pode fazer por mim? As perguntas que precisam de respostas imediatas para marcas e políticos sob pena de decretar a morte de ambos. Cada qual encontrou as suas para a ocasião. De um lado, a soma de todos os nossos medos, de outro, a soma de todas as nossas esperanças. Quando estas morrerem, seguramente as marcas irão se deparar com o mesmo dilema dos líderes políticos e, possivelmente, terão que criar seus próprios fantasmas de fumaça para justificar sua existência.

Previous Post Next Post

You may also like

No Comments

Leave a Reply