Follow me:

Porque sua empresa NÃO precisa de Branding! (parte 1)

Se você pensa em começar um negócio ou já tem um em andamento, branding não é uma necessidade como, por exemplo, um CNPJ, um endereço, um equipamento (caso produza algo) ou uma loja (caso atue no varejo). Sua empresa vai existir e continuar existindo sem ele. Inclusive, talvez não sinta falta em um primeiro momento, sobretudo se o mercado for pouco competitivo e abundante em clientes. No entanto, mais cedo ou mais tarde esse jogo vira. Pode já ter até virado, alguns sintomas são bem claros como pressão por preços mais baixos, equipe comercial dizendo que está tudo igual no mercado ou mais ex-clientes do que atuais. Nessa hora é prudente dar uma conferida se a sua marca está bem construída e posicionada, não apenas em relação a aspectos visuais, mas naquilo que as pessoas percebem, pensam e falam dela. Esse é o momento do branding, mas ainda há o caminho de insistir nas velhas fórmulas.

Sua empresa definitivamente NÃO precisa de branding se ela:

• Acredita que seu público está aí, não é necessário entendê-lo (diferente do que fez a Sorrifácil)

• Quer ser igual aos concorrentes que já existem e deram certo (caminho antagônico ao feito pela Ryzí)

• Crê que mais marcas no portfólio, mais faturamento no caixa (constatação oposta a de Taura)

• Deseja vencer só pela complexidade do produto (estratégia abandonada pela RPH)

• Seguir algum benchmarking do tipo “o jeito Disney de atender” (trivialidades não compartilhadas pela Substância)

 

Marcas precisam fazer escolhas

 

Há um consenso que entre grande parte das empresas que morrem, a fome não é uma de suas causas, mas sim a indigestão. Dizer muitos sims, quando vários nãos eram fundamentais para concentrar esforços e energias. Ampliar a linha de produtos e assim criar submarcas e novas marcas. Tentar vender tudo para todos, pois assim é mais fácil e não é necessária a especialização. Olhar para todos os lados e ver o que os concorrentes fazem e tão logo possível copiá-los, pegando um pouco de cada ação que executam. Tornar o produto tão complexo que seu folder parece mais um uniforme de general, cheio de insígnias e estrelas penduradas. Pegar cases de sucesso das melhores empresas do mundo, mesmo que não tenham nada a ver com seu jeito de ser ou seu propósito, e aplicar para capacitar sua equipe.  O conjunto de ações acima ou apenas parte delas já é um bom elixir para problemas. Nesse momento, pensar em branding pode ser um começo importante para que algumas escolhas comecer a ser feitas, deixando para trás o que precisa der deixado.

 

 

Previous Post Next Post

You may also like

No Comments

Leave a Reply